O BURACO DA FECHADURA

rabiscos, escrevinhações, achismos e outras bobagens

Buscar
  • marcosthomazm

A morte e a morte de Erasmo Carlos!


Era segundo turno de eleição.


Trinta de outubro de 2022.


Saía do estúdio, após uma das missões mais difíceis, extenuantes da minha jornada jornalística: a cobertura da votação e apuração daquele pleito histórico.


No portão principal da Rádio Tabajara recebia a notícia sobre a morte de Erasmo Carlos.


Por sorte mais um daqueles homicídios virtuais em tempos atuais.


Mas, aquela não foi a primeira morte do Tremendão, infelizmente.


Tal qual o personagem amadiano, Erasmo teve lá outras mortes simbólicas.


A maior , um quase esquecimento nacional.


Erasmo e Roberto a parceria musical mais bem sucedida da música brasileira.


Ícones, símbolos da música dos anos 60, reis do iê-iê-iê, as “brasas” da Jovem Guarda.


Basta ver os caminhos de cada um depois.


Roberto, o Rei, uma instituição personificada, programas dominicais exclusivos em quase todo o Brasil.


De Erasmo ficou, quase exclusivamente, o sobrenome que compartilhava com o amigo mitificado.


Ofuscado por épocas, quase invisibilizado.


Bem verdade que, parte disso era escolha do próprio Tremendão.


Como um rockstar às avessas refutava o sucesso, vitrine midiática pop.


Talvez por, diferente do amigo mais famoso, ser mais roquenrol , autêntico de fato, na música e na vida.


E isso não é uma missiva contra Roberto Carlos, jamais.


Apenas a mim é inescapável fugir da comparação entre ambos após o sucesso e trilha inicial juntos, como Sputniks.


E sim, pelo pouco elencado, eu preferia o Carlos menos badalado.


Hoje, 22 de novembro, o Tremendão partiu, de fato, fisicamente.


Sua obra, sua arte perdurará, continuará a inspirar, imortalizada em verso e música, mesmo o autor tendo sido morto em vida mais de uma vez, tal qual o Quincas Berro D`água.

23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
 
 
pexels-photo-776153.jpeg

ENTRE EM CONTATO

Suas informações foram enviadas com sucesso!