O BURACO DA FECHADURA

rabiscos, escrevinhações, achismos e outras bobagens

Buscar
  • marcosthomazm

Ben “tocando terror” na floresta!


Eu já disse aqui outras vezes da relação de Ben com o Rock.


Desde muito cedo esse gosto foi muito bem definido nele.


Claro que sei da minha influência.


Mas o Ben é muito mais acelerado, speed rock. Está no instinto.


Fundamentalmente, gosta de hard-rock clássico e, especialmente, Metal (com todas as suas variações).


De ACDC, Led Zeppelin a Black Sabbath, esta última a preferência desde sempre, quando conheceu Iron Man, na trilha do filme homônimo, do primeiro super herói dele, Tony Stark, o tal Homem de Ferro.


A relação com os pais do metal é tão intensa, intrínseca, a ponto de aos dois anos ter batizado um desenho de palhaço com o nome da banda em atividade da escola. A mãe perguntou que nome queria dar ao personagem circense, após ele ilustrar, e sem titubear, cravou: Black Sabbath.


Dia desses, por sinal, me pediu para ir a Inglaterra vermos um show de Ozzy e sua trupe. Havia dito a ele que o quarteto é inglês, mas devo ter esquecido de mencionar que não se reúnem mais. Enfim...


Mas, atualmente, nenhuma banda é mais requisitada pelo Ben do que o Sepultura!

Impressiona essa peculiaridade afetiva dele, porque como disse, rock é som de cabeceira,

recorrente em casa e, de fato, gosto de todas as bandas citadas, mas, digamos, que não sejam as mais frequentes no playlist ultimamente. É algo muito genuíno, inerente ao Ben essa afinidade com o metal (termo que ele enche a boca pra falar).


Voltando ao Sepultura, a nova “melhor banda de todos os tempos da última semana” do Ben...

Ela sintetiza a frase do próprio:


-Pai, você sabia que rock me acalma?


Ele suaviza ouvindo, dorme escutando alto no carro. Alto, porque pede para aumentar, sempre.


Entra em uma espécie de hipnose.


Mas capta todos os sentidos.


-Pai, esse começo na bateria parece música da floresta.


É o álbum Roots tocando, um mergulho da banda em sons originários da Amazônia brasileira.


Depois emenda sobre o vocal gutural de Max.


-Ele canta assim fazendo terror.


Inocentemente, pensando no impacto da palavra terror para o imaginário de uma criança de quatro anos comento:


-É pai, faz parte do estilo, é para ser esse som assim pesado mesmo. Até para parecer assustador e ser mais forte.


-Eu sei pai. Tá achando que eu sou bobinho? É só do jeito da música e eu gosto assim.


Responde já imitando o vocal e balançando a cabeça.

23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
 
 
pexels-photo-776153.jpeg

ENTRE EM CONTATO

Suas informações foram enviadas com sucesso!