O BURACO DA FECHADURA

rabiscos, escrevinhações, achismos e outras bobagens

Buscar
  • marcosthomazm

Em terra de canguru, vacilão não pula.

O que tem a ver a proibição de entrada do tenista número 1 do mundo na Austrália, com a passagem do ministro da Saúde brasileiro pela Paraíba??



Meu amigo Serjão disse: “e pensar que em algum tempo já admirei este cara?!?!”


Esta foi a minha mesma sensação ao ver mais uma notícia decepcionante sobre o tenista Djokovic.


Enquanto nos ativermos as superficialidades dos feitos...


Monstro nas quadras, quebrando a hegemonia, talvez, da maior rivalidade da história do esporte (NadalxFederer).


Espirituoso, desmontando a sisudez e robotização do nobre esporte com divertidas caricaturas dos próprios colegas aos quais imitava...


Mas tudo isso ruiu ao perceber que o fenômeno sérvio não passava de mais um negacionista (esta espécime aberrante dos novos tempos).


Primeiro, promovendo, diretamente, torneio que espalhou Covid nos Bálcãs, inclusive o próprio tendo sido contaminado.


Depois participou de eventos, com o agravante de ter mantido contato com dezenas de crianças, mesmo tendo um diagnóstico positivo para a doença...


Antes que o “passador de pano” venha, insensatamente, arvorar as tais liberdades individuais reforço a natureza das situações acima.


Em ambas, uma decisão, escolha pessoal do cidadão pôs em risco, contagiou outros em meio a maior pandemia mundial em um século.


Agora, o mesmo Djokovic lutou exaustivamente para disputar Grand Slam na Austrália sem passaporte vacinal.


Barrado, já deve estar sendo justamente deportado e sobrevoando, com o “rabo entre as pernas”, o Pacífico rumo ao Leste Europeu.


Um exemplo claro da aplicação do passaporte de vacinação por um país de primeiro mundo.


A culpa, mais uma vez deve ser dos governadores, prefeitos e STF brasileiro?!?!


Enquanto isso em uma pequena província ocidental, o Ministro da Saúde continua a questionar a exigência de esquema vacinal para trânsito de pessoas em seu próprio país.


Em passagem por sua terra natal, a Paraíba, o boneco de ventríloquo do presidente Bolsonaro se referiu ao avanço da vacinação em solo brasileiro para desprezar a necessidade do passaporte.


Detalhe que na Austrália 90% dos adultos estão vacinados, portanto acima do índice do Brasil.


Nem por isso as autoridades ou o Supremo do país da Oceania decidiram aliviar para a celebridade. Além de fazer-se cumprir a lei e segurança dos cidadãos, há um caráter educativo na decisão.


Por sinal, apenas para lembrar...


Praticamente, a totalidade dos países da União Européia adotaram a medida restritiva e conscientizadora.


Até os Estados Unidos, eldorado das tais liberdades invioláveis e fixação dos “patriotas” bolsonaristas se rendeu a prática.


Vou além, em diversas modalidades passaportes de vacinação são documentos exigidos em várias partes do mundo há mais de meio século. Febre amarela, por exemplo.


Obviamente, a postura contra o passaporte é apenas mais um braço do famigerado movimento mundial Antivax.


Aqui no Brasil um estertor do projeto de desinformação em massa promovido, pessoal e sistematicamente pelo presidente e repetido em caixa de ressonância pelos seguidores.


Ao desserviço do governo brasileiro, fica o exemplo australiano:


Djokovic não pode mais que ninguém. Aliás, na vida, especialmente, em pandemia, ninguém pode mais que ninguém e as tais “decisões individuais” influenciam e comprometem as medidas coletivas.


Para quem gosta das metáforas baratas do dito cujo: os crocodilos australianos rugem mais alto que o tal jacarezinho bolsonarista!

27 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
 
 
pexels-photo-776153.jpeg

ENTRE EM CONTATO

Suas informações foram enviadas com sucesso!