O BURACO DA FECHADURA

rabiscos, escrevinhações, achismos e outras bobagens

Buscar
  • marcosthomazm

EU, NO CENTRO DO UNIVERSO


Praguejo a chuva. Exijo sol porque quero ir à praia.


Mas suplico a chuva apenas para uma sinfonia aos ouvidos durante um domingo preguiçoso de casa e cinema.


Quero o tempo e a temperatura a meu bel prazer.


Interfiro nos astros, mudo latitude e longitude, alterno hemisférios.


Céu azul para o futebol.


Sol a pino para o churrasco, piscina e cerveja.


E chuva, enxurrada para lavar a alma naqueles dias de bad... trip, ou estática!


Espero o frio, deixo o vento gélido invernal chegar apenas para derreter minutos a fio sob a água escaldante do chuveiro.


"Tempero" o clima a gosto.


Combato o calor abafante com ar condicionado no talo, quando nem “ventilador no 3” dá mais conta. Tudo para poder me cobrir com a manta sertaneja que me enrosca a pele, atiça os pêlos, libera os poros.


Troco o dia pela noite. Faço o fuso horário que me convém.


Embaralho AM e PM, giro o relógio ao contrário, deixo o cuco afônico.


Sonho acordado, tenho revelações em sono profundo.


Elucido na escuridão, ofusco na alvorada.


Imponho ao Universo uma bipolaridade temporal.


Só não consigo voltar no tempo. O que já foi permanece sendo, mesmo soterrado.


As ruínas sempre esperam a seca para voltar à superfície e revelar sua face.


Destroços de outrora.


Cascadura me avisa, que “O Tempo pode virar”.


Ligo as turbinas, abro a vazante, libero as comportas, submerjo o passado.


Acelero o tempo, retorno ao presente, prevejo o futuro.


Falso Senhor das horas!


O cantador profetiza lá do Cariri; “Se avexe não, que amanhã pode acontecer tudo, inclusive nada”.


Acordo do devaneio megalomaníaco.


Uma voz suave me retira do surto egocêntrico.


Em um sobressalto sobre assuntos banais Ben me diz: “Porque o mundo não é só seu. Ele é de todo mundo”.


Sua forma inocente de alertar-me que, “nem este, nem outro mundo gira ao meu redor”.


Distopia insone, simulações baseadas em mim, mas bem que poderia ser o seu alter ego. Não disfarce, confesse ao tempo, Gil já avisou que ele é Rei!


Melhor retroagir, entregar-se ao acaso temporal.


O relógio do mundo não dá corda, troca pilha, ou brilha em LED.


Tic-Tac contínuo, ritmo constante, a hora exata, o compasso marcado, observador dos seus passos.


Sempre preciso, inalterável, inexorável, te conduzindo ao insondável.


“E no balanço das horas tudo pode mudar”.

32 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

As “paraibadas” que colocam o Brasil no topo do mundo

Com todo respeito e admiração aos outros atletas (medalhados, ou não), mas vamos falar a verdade, né?? Os dois maiores momentos olímpicos brasileiros até agora lá na “Terra do Sol Nascente” foram Par

 
 
pexels-photo-776153.jpeg

ENTRE EM CONTATO

Suas informações foram enviadas com sucesso!