O BURACO DA FECHADURA

rabiscos, escrevinhações, achismos e outras bobagens

Buscar
  • marcosthomazm

“SE FUI PRESO NÃO LEMBRO!” AS SUSPEITAS QUE ACABAM COM UM DIA DE DOMINGO


No último final de semana tive um “Dominghetti” daqueles!


É eu sei que esse trocadilho é bem chinfrim.


A verdade é que, além do termo definir bem o domingão modorrento que tive, queria apenas um gancho para voltar a falar do cidadão sem soar ultrapassado!


Ok, ok nao colou, mas já que estamos aqui...


O tal Dominghetti que inspirou essa medíocre tentativa de gracinha no texto foi um dos depoentes na CPI da Pandemia na semana passada e continua a reverberar.


Um dos mais ruidosos a se sentar no trono do BBB, digo do Congresso Brasileiro.


Durante e após sua controversa participação na sabatina surgiu a suspeita do cidadão ter sido uma testemunha plantada.


O governo federal teria utilizado o senhor Dominghetti para desqualificar o deputado Luís Miranda, que havia trazido detalhes comprometedores a todo o Planalto, incluindo o presidente da República, Jair Bolsonaro.


Bom, eu que não gosto de criação de factóides, teorias da conspiração, muito menos leviandades não posso cravar que o dito cujo do sétimo dia estava a serviço da família numeral.


Não posso afirmar categoricamente, mas como dizia lá em minha terra: “deu a tampa e a panela, lé com cré”- Bolsonarismo e Dominguetti; cara de um focinho de outro”.


“Se sêsse” mesmo o que dizem as más línguas, o bolsonarismo não poderia estar tão bem representado senão pelo senhor Luiz Paulo Dominguetti.


O cidadão é um policial quase assumidamente corrupto. “Se foi preso, não lembra”; responde a “trocentos” processos, declaradamente faz bicos comerciais (mesmo a prática sendo vedada a agentes de segurança).


O cabo da PM mineira atende muito bem ao perfil para se integrar ao exército miliciano que apóia o bolsonarismo, irrestritamente.


Alguns, não eu, que não sou dessas coisas, afirmam, inclusive, que a milícia é o próprio governo!

Aí citam hipotéticos vínculos íntimos de chefes milicianos com a família Bolsonaro. Tipo o finado Adriano da Nóbrega, apontado como executor da vereadora Marielle e benquisto no clã, agraciado até com medalha na Assembléia Legislativa carioca pelo zero um.


Outros lembram do Queiroz, outro militar, “unha e carne” com Bolsonaro na época de quartel, com passado miliciano, operador da rachadinha também etc e tal.


Há maledicentes que remeteram até ao fato de Bolsonaro ser, na verdade, um capitão do exército expulso por planejar um atentado contra a corporação.


Vejam só as trágicas semelhanças do destino.


O acaso é mesmo surpreendente.


Puras coincidências a suscitarem em nós estas suspeitas que assemelham milícias, policiais corruptos e o bolsonarismo.

28 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

As “paraibadas” que colocam o Brasil no topo do mundo

Com todo respeito e admiração aos outros atletas (medalhados, ou não), mas vamos falar a verdade, né?? Os dois maiores momentos olímpicos brasileiros até agora lá na “Terra do Sol Nascente” foram Par

 
 
pexels-photo-776153.jpeg

ENTRE EM CONTATO

Suas informações foram enviadas com sucesso!