top of page

O BURACO DA FECHADURA

rabiscos, escrevinhações, achismos e outras bobagens

Buscar
  • marcosthomazm

Totonho, a demolição do Forrock e a batalha por espaço entre igrejas e supermercados


O Forrock vai "a chon" (referência de velho, ok).


Aquele espaço que fez tanta gente rebolar até embaixo.


Botou tantos e tantas pra descerem quebrando...


Maledicentes, não me incluam nessa lista.


Sou true, rokêro.


Minha memória lembra que só fui para shows de rock.


-Tá bom, Molejo, Exaltasamba é tudo roquenrol agora!?! – me late o cão.


Nego até a morte. Tem registro?


Mas tudo bem, mesmo o rock lá, não era lá rock, rock não...


Capital Inicial (argh) e afins.


Aquele cast tradicional e nada variado do lugar.


-Sendo assim, era melhor ter ido até embaixo, murmura a voz do mal ao pé do ouvido.


“chão, chão, chão...”


Fato é que a garagem de ônibus, digo maior e mais antiga casa de shows de João Pessoa, vai ruir.


Pelo menos não vai virar uma igreja!


Falando nisso, Totonho:


Com a inauguração do Assaí na Epitácio, o Mercadinho São “alguma coisa” no Grotão e o novo Hipermercado que substituirá o Forrock, a profecia do caos evaporou:


Definitivamente, não há mais igrejas do que supermercados na boa João Pessoa.


Afirmo categórica e catalogamente: nas minhas contas de buteco, oficialmente são 353 igrejas (entre templos históricos seculares, capelas, ex-cinemas, quintal de casa de pastor impostor, puxadinho e afins).


Na outra ponta alcançamos a incrível marca de 356 mercados (contando secos e molhados, mercearias, hipers, bigs, atacados de toda natureza e derivação, bem-mal, mais-menos na capital Parahyba).


Basta pegar a BR-230, a famigerada Transamazônica, apenas em um trecho ali de Cabedelo City até Oitizeiro que é hipermercado a cada 100 metros com variedade de logomarcas para fazer inveja a outlet de Miami.


Não sei se isso depôe por uma redução dos templos religiosos, ou, simplesmente, é uma explosão de dos “balcões de alimentos” na Paraíba.


Fato é que o mercado da fé, está sendo suplantado pelo mercado de “cumê”!


Ô gRória!!


Seria, mestre Totonho, “a alma deixando de roubar alimento do corpo”?


“Me diga você que estudou filosofia”, digo datilografia!


Agora apenas farmácia supera o número de mercados em Jampa.


Essa daí é uma batalha inglória.


Não dá para concorrer com as drogas, a principal fonte de manutenção da vida humana.


Pelo menos aqui, neste plano terreno.

57 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Início: Blog2
Início: GetSubscribers_Widget
pexels-photo-776153.jpeg

ENTRE EM CONTATO

Suas informações foram enviadas com sucesso!

Início: Contact
bottom of page