O BURACO DA FECHADURA

rabiscos, escrevinhações, achismos e outras bobagens

Buscar
  • marcosthomazm

Treino em terreno baldio, corte no Bolsa Atleta e a dura realidade dos heróicos atletas olímpicos


Tudo muito bom, tudo muito belo!


Ouro reluzindo, Brasil no pódio, recorde histórico de medalhas.


Novos ídolos mirins e veteranos.


Histórias mágicas, feitos de superação.


Aos vencedores, premiações, bônus etc.


Izaquias, ouro na canoagem, por exemplo, receberá 330 mil reais pela conquista. Teve colega de imprensa considerando o valor algo bem significativo e chamando até de benesse as premiações ao baiano.


Benesse?? No senso comum e no meu imaginário esse termo é atribuído a privilégios de políticos e apaniguados, ou qualquer outra vantagem baseada em comodismo. A tradicional “boquinha”.


O repórter, dando ar de relevância, reconhecimento ao valor de 330 mil reais por uma medalha de ouro parece esquecer que o menino Ney, por exemplo, ganha isso em um dia de férias em Ibiza.


Ah, mas Daniel Alves, o verborrágico oco (fala, fala,fala e não diz alhos com bugalhos) não quer que critiquem o futebol! Magoa mexer com o intocável. Mesmo quando os boleiros ricos agem isolados, como se não fizessem parte do TIME BRASIL.


Mas, passada a ressaca da celebração, eis a dura realidade para a imensa maioria, aqueles que não subiram ao pódio (mais de 90% da delegação brasileira).


Falta de patrocínios, ausência de espaços para treinos, corte vertiginoso nas bolsas governamentais.


Sim, ô da poltrona, mas nem se espante se os resultados forem devidamente apropriados pelo governo Bolsonaro como êxito de sua gestão.


E pode baixar as armas, que a competição de tiro acabou junto as Olimpíadas.


Longe, bem longe de ter sido a anomalia bolsonarista quem inventou essa famigerada prática de tirar proveito político de fatores externos. E o esporte é um grande filão para os oportunistas. Dos melhores.


Mas mesmo não sendo o pai da infâmia de capitalizar com a conquista dos outros, o Bolsonarismo tem ainda menos legitimidade sobre o feito atual.


Pelo simples fato de que, além de pouco ajudar, quis atrapalhar, de fato...

Apenas no ano passado o corte vertiginoso aplicado pelo governo Bolsonaro sobre o Bolsa Atleta chegou aos 50%.


Ou seja, um país com histórico já cambaleante no apoio ao desporto, “cortou na carne” a pouca fatia ofertada.


Isso sem falar no Ministério do Esporte "rebaixado" ao status de secretaria.


Para se ter idéia, dos 309 atletas que representaram o Brasil em Tóquio, quase 50% da delegação vive com menos de dois mil reais de auxílio de programa de incentivo ao esporte. Quase 25% sequer tem auxílio governamental.


Aguardando a tradicional recepção aos heróis olímpicos e ver qual o artifício montado pelos bolsonaristas. Mas esse pão e circo não vai colar. Essa Fake News já aparece natimorta.


Todas as honras e méritos dos resultados foram desses verdadeiros guerreiros que praticam esporte olímpico em um país inglório como o Brasil.


Muiro além do mundo dos pódios, grande feito é o do catarinense Darlan Romani... o atleta do arremesso de peso alcançou um fenomenal quarto lugar nos Jogos Olímpicos de Tóquio, tendo passado o último ano treinando em um terreno baldio ao lado de casa, no interior paulista.


Os verdadeiros heróis de suas próprias histórias são estes atletas. O resto é perfumaria, pegar carona no esforço alheio!

21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
 
 
pexels-photo-776153.jpeg

ENTRE EM CONTATO

Suas informações foram enviadas com sucesso!